TJCE anula acórdão do TCM que julgou irregulares contas do ex-prefeito de Tarrafas

A 6ª Câmara Cível anulou, na última quarta-feira (11/06), o acórdão nº 04/2007, do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), que julgou irregulares as contas do ex-prefeito do Município de Tarrafas (a 458 km de Fortaleza), Tertuliano Candido de Araújo, referente ao exercício financeiro de 1998. A decisão teve a relatoria do desembargador Paulo Airton Albuquerque Filho.

Segundo os autos, Tertuliano estava no cargo de prefeito de Tarrafas, em 1998, e teve as contas julgadas, daquele ano, como irregulares pela Corte de Contas, conforme acórdão nº 04/2007. O ex-gestor, no entanto, alegou que a decisão é passível de anulação, pois o TCM usurpou a prerrogativa de julgar contas de prefeito, privativa do Poder Legislativo municipal. Por esse motivo, em agosto de 2008, ingressou na Justiça requerendo a anulação do ato.

Em contestação, o Estado disse que a Corte de Contas tem competência para julgar as contas de gestão do prefeito municipal. Alegou a devida fundamentação e motivação do acórdão 04/2007, a observância do princípio do contraditório e da ampla defesa, além da existência de irregularidades consideradas insanáveis nas contas analisadas. Por fim, requereu a improcedência da ação.

Em agosto de 2011, o Juízo da 8ª Vara da Fazenda Pública julgou improcedente o pedido por entender ser impossível ao Poder Judiciário verificar, quanto ao mérito, os atos do Tribunal de Contas, e por reconhecer que foram atendidas, por parte do TCM, a garantia da ampla defesa e do contraditório. Considerou ainda que a função fiscalizadora da Corte de Contas, na esfera municipal, não se restringe, apenas, à simples emissão de parecer prévio sobre as contas dos prefeitos, mas também, é atribuído ao órgão, segundo a Constituição Federal, competência para julgar.

Inconformado, Tertuliano Candido de Araújo interpôs apelação (nº 0047849-45.2008.8.06.0001) no TJCE. Argumentou que, em se tratando de apreciação de contas do chefe do Executivo municipal, devem ser julgadas exclusivamente pelo Poder Legislativo com o auxílio técnico do Tribunal de Contas, que emitirá apenas parecer prévio.

Ao julgar o caso, a 6ª Câmara Cível, por unanimidade, deu provimento ao recurso, declarando nulo o acórdão 04/2007 do TCM. “Estou convencido que com a firmação de uma orientação jurisprudencial até então dominante no âmbito do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal Superior Eleitoral, há de se prevalecer a tese segundo a qual o chefe do Executivo, seja na qualidade de governante ou de ordenador de despesas, deve ter suas contas submetidas ao crivo do parlamento, atuando o Tribunal de Contas como órgão opinativo”, considerou o relator.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Ceará

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Tribunal de Contas

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s