MPSP pede à Justiça a indisponibilidade dos bens de ex-Prefeito de Barretos

O Ministério Público do Estado de São Paulo, por meio dos Promotores de Justiça do Projeto Especial de Tutela Coletiva, ajuizou, na última terça-feira (12/8), ação de responsabilidade civil com pedido de liminar para que a Justiça decrete a indisponibilidade dos bens de Emanoel Mariano Carvalho, ex-Prefeito de Barretos, por prática de improbidade administrativa durante os oito anos que ocupou o cargo de chefe do Poder Executivo daquele município.

A ação de responsabilidade civil foi proposta após constatação no inquérito civil instaurado que o Município de Barretos criou, com base na Lei Municipal nº 2.678, de setembro de 1992, o Instituto de Previdência do Município de Barretos (IPMB). A Lei foi revogada pela Lei Municipal 3.705/2004, que reestruturou o regime próprio de previdência de Barretos, mas manteve o IPMB como gestor e administrador do Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos do Município (RPPS). A Lei de 2004 também foi alterada pela Lei Municipal nº 4.510 de maio de 2011, disciplinando o Plano de Custeio do IPMB, porém, a Prefeitura não repassava ao Instituto, ou repassava com atraso, os valores das contribuições descontadas dos salários dos servidores.

De acordo com a ação, foram firmados diversos termos de parcelamento das dívidas somadas ao longo da gestão de Emanoel Mariano Carvalho à frente da Prefeitura de Barretos, mas nenhum acordo firmado pelo ex-Prefeito foi honrado. Também não foram honradas as parcelas dos termos de parcelamentos firmados pelo seu antecessor, de maneira que, o Município de Barretos deixou de repassar ao IPMB quase que a totalidade das contribuições previdenciárias referentes ao período de 2005 a 2012.

Os Promotores fizeram constar na ação parte da análise do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo na qual foi apurado que a dívida total da Prefeitura de Barretos com o Regime Próprio de Previdência Social em 31 de dezembro de 2010 passava de R$ 39 milhões.

Para a Promotoria, a conduta do ex-Prefeito de Barretos configurou violação aos princípios da administração pública e prática de improbidade administrativa. Por isso, o MP pede à Justiça a decretação da indisponibilidade dos bens de Emanoel Mariano Carvalho para ressarcimento ao erário em caso de condenação futura. Pede, ainda, que ele seja condenado a o de reparar os danos causados ao Município e ao Instituto Previdenciário; além da perda da função pública; suspensão dos direitos políticos; proibição de contratar com o Poder Público e pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano.

A ação civil pública tramita na 1ª Vara da Fazenda Pública de Barretos sob o nº 1006084-11.2014.8.26.0066.

Fonte: Ministério Público do Estado de São Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Improbidade Administrativa

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s