Indeferida cautelar de ADI sobre prorrogação de licença-maternidade

Por unanimidade, os desembargadores do Órgão Especial indeferiram cautelar de Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo prefeito do Município de Paranhos contra a Lei Municipal que dispõe sobre a prorrogação de licença maternidade das servidoras públicas do município.

O prefeito explica que vetou totalmente a lei por ofensa a preceitos constitucionais previstos na Constituição Federal, bem como na Carta Estadual e na Lei Orgânica do Município de Paranhos. O veto foi rejeitado pela Câmara e a lei promulgada pelo presidente da Legislativo.

Sustenta haver inconstitucionalidade na lei, pois pertence privativamente ao chefe do Executivo a iniciativa de matéria que trata sobre servidores públicos e não à Câmara Municipal. Requer a concessão de medida liminar para suspender os efeitos da lei, tendo em vista que a municipalidade terá que arcar com o aumento de despesas imediatamente, em razão de pelo menos 10 servidoras estarem em licença-maternidade e outras cinco já terem declarado sua condição de gestantes.

O relator do processo, Des. Dorival Renato Pavan, explica que a Constituição tem previsão expressa quanto à possibilidade de pedido cautelar em ações diretas de inconstitucionalidade, sendo medida para obter a antecipação dos efeitos de um eventual julgamento favorável de mérito, sendo necessária a demonstração da plausibilidade, a razoabilidade e pertinência das razões jurídicas que alega e principalmente a probabilidade de ocorrerem transtornos graves, lesões irremediáveis, danos e prejuízos de difícil reparação, o que não é o caso dos autos.

Aponta o relator que a norma atacada dispõe sobre direito fundamental da criança, que é o de ter amamentação exclusiva e convívio com a mãe até os seis meses de vida. Em seu entendimento, o mero aumento de despesas não é o bastante para justificar a suspensão da lei que garante a prorrogação da licença maternidade às servidoras.

Além disso, não ficou comprovado o prejuízo grave a ser causado à municipalidade. Ao contrário, a suspensão da lei causará dano irreparável às servidoras do Município, diante da necessidade de retorno à atividade, prejudicando o convívio necessário entre mãe e filho, apontou Pavan.

Em seu voto, o desembargador explica que entre os direitos fundamentais proclamados pela Constituição está a proteção à maternidade e à infância, cuja concretização é a justificativa para a garantia do direito à licença-maternidade e que estas normas constitucionais visam primordialmente o desenvolvimento saudável da criança, que necessita da proteção e aleitamento da mãe nos primeiros anos de vida, em que há a formação física e psíquica do indivíduo.

Objetivam também a proteção à mulher, garantindo o repouso adequado à sua condição e o efetivo e indispensável contato com o seu filho. Assim, acredita que toda matéria que trata de direitos essenciais à garantia da dignidade da pessoa ou dignidade humana é constitucional, ainda que não conste em nenhum dos 258 artigos da Carta Constitucional.

Para ele, normas infraconstitucionais que dão maior amplitude a um direito fundamental já expressamente protegido pela Constituição Federal também se equiparam à norma constitucional e devem ser imediatamente aplicadas como uma.

A Lei nº 11.770/2008 dispôs sobre a possibilidade de ser prorrogada a duração da licença maternidade por 60 dias e não existem motivos para que medida idêntica deixe de ser aplicada no âmbito estadual e municipal, independentemente de lei local, por ser direito advindo de texto constitucional. Diante de tais considerações, com o parecer, indefiro pedido cautelar.

Processo nº 1406361-53.2014.8.12.0000

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Constitucional

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s