Suspensa sentença que havia cassado direitos políticos do ex-prefeito de Goiânia

Em decisão monocrática, o desembargador Carlos Alberto França cassou a sentença da 2ª Vara da Fazenda Pública Municipal e de Registros Públicos da comarca de Goiânia, que havia suspendido os direitos políticos do ex-prefeito de Goiânia, Pedro Wilson, e que o proibia de receber benefícios ou incentivos fiscais, direta ou indiretamente, mesmo que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

A suspensão dos direitos políticos foi determinada após interposição de ação civil pública por ato de improbidade administrativa, devido à rejeição das contas públicas na gestão 2001/2004 – período em que Pedro Wilson foi prefeito da capital goiana -, e pelo descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal, no sentido de promover o equilíbrio orçamentário.

De acordo com o magistrado – que concedeu provimento à apelação cível interposta por Pedro Wilson -, a cassação da sentença inicial foi determinada por causa da constatação do cerceamento do direito de defesa do ex-prefeito e para que sejam realizadas as provas necessárias à elucidação da controvérsia, ou seja, verificação da prova pericial nos balancetes acostados nos autos para que se apure o alegado desequilíbrio orçamentário nas contas públicas.

O desembargador Carlos Alberto França ressaltou que, pelos autos, houve a comprovação de que não foram produzidas, durante a fase de instrução do feito, as provas necessárias para esclarecer se ocorreu ou não o desequilíbrio orçamentário na gestão do ex-prefeito. Ao contrário do vislumbrado pelo condutor do feito do primeiro grau de jurisdição, entendo que a realização da prova pericial afigura-se imprescindível na espécie para apuração do alegado desequilíbrio orçamentário. Também por não ser possível saber como o Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás chegou à conclusão da existência de restos a pagar na resolução em que rejeitou as contas do requerido, utilizada como único fundamento pelo parquet para o ajuizamento da ação civil pública por ato de improbidade administrativa em desproveito do apelante, enfatizou.

Alegações

O ex-prefeito de Goiânia, Pedro Wilson, interpôs apelação cível, sustentando que houve a ocorrência de seu direito de defesa por quatro argumentos – não sobrestamento do feito até a reanálise das contas municipais pelo Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás; não sobrestamento do feito até a elucidação final do mandado de segurança impetrado pelo ex-prefeito; indeferimento da prova testemunhal pugnada e ausência de concessão de prazo para a apresentação de alegações finais.

Pedro Wilson alegou ainda que não houve desequilíbrio orçamentário durante sua gestão como prefeito de Goiânia nos anos de 2001/2004; que não existe a proibição relativa à existência de restos a pagar na Lei de Responsabilidade Fiscal; a imprescindibilidade de juntada aos autos dos balancetes dos anos de 2003 e 2004; que houve o cancelamento de alguns restos a pagar em 2008 referentes ao exercício de 2004 e a anulação de empenhos, entre outros.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Improbidade Administrativa

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s