Ex-prefeito de Uruana tem direitos políticos suspensos por improbidade administrativa

O ex-prefeito de Uruana, Raul Sudário Cardoso Júnior, foi condenado por improbidade administrativa, tendo seus direitos políticos suspensos por 5 anos. Ele teria deixado de prestar contas referentes ao recurso do Programa Federal de Atenção Integral à Família (PAIF), desviando R$37.380,00 no período entre 2000 e 2004, durante seu mandato como Prefeito do Município de Uruana. A decisão monocrática é do desembargador Gerson Santana Cintra, que endossou sentença do juízo da comarca.

Raul interpôs apelo, afirmando em sua defesa que o procedimento investigatório não trouxe, de forma clara e precisa, para onde teriam sido desviados os referidos recursos, nem tampouco quaisquer indícios, por menor que fossem, indicando o desvio de finalidade dos aludidos recursos. Disse também que não houve improbidade administrativa, já que não há provas de que se apossou da verba ou que a teria desviado em benefício de terceiros, não havendo má-fé de sua parte. Ele ainda argumentou que a verba em questão seria de origem federal, alegando ser ilegítima a ação instaurada pelo Município de Uruana, sendo a parte interessada a União.

O desembargador explicou que o Município está apto a propor a ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito, pois uma vez que o recurso financeiro foi repassado ao Município de Uruana, ele passou a integrar seu patrimônio, não havendo necessidade de intervenção da União. Afirmou também que, segundo os autos, houve improbidade administrativa, tendo o acusado violado os artigos 10 e 11 da Lei nº 8.429/92, que diz que configuram improbidade administrativa os atos que causam prejuízo aos cofres públicos (art. 10) e os que atentam contra os princípios da Administração Pública (art. 11).

Sendo assim, o magistrado decidiu por negar seguimento ao apelo e manter a sentença. Portanto, o ex-prefeito terá de ressarcir a quantia de R$37.380,00 aos cofres do Município de Uruana, referente ao desvio de recursos do Programa de Atenção Integral à Família (PAIF), e terá seus direitos políticos suspensos pelo prazo de 5 anos.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Improbidade Administrativa

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s