Ex-prefeito e funcionário de Cidade Ocidental são condenados por fraudes em licitações

O ex-prefeito de Cidade Ocidental, Antônio de Paula Alves de Lima, e o ex-chefe da Divisão de Compras e Licitações, Adalberto Firmo de Oliveira, foram condenados por improbidade administrativa por conta de fraudes em licitações. Eles tiveram seus direitos políticos suspensos por três anos e foram proibidos de contratar com o poder público pelo mesmo prazo. Além disso, os dois terão de pagar multa civil no valor de R$10 mil cada. A decisão monocrática é do desembargador Orloff Neves Rocha (foto),que reformou sentença do juízo da Vara das Fazendas Públicas, Registros Públicos e Ambiental de Cidade Ocidental.

Em primeiro grau, os dois foram absolvidos dos crimes de improbidade administrativa, mas ao analisar as provas contidas nos autos, o desembargador entendeu pela reforma da sentença. Extrai-se dos autos, por meio de inspeção realizada pelo Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás, que as fraudes tiveram início a partir do encaminhamento – pelo Prefeito Municipal da Cidade Ocidental e do Chefe de Divisão de Compras e Licitações – de várias cartas-convites para as empresas participantes das licitações, as quais apenas assinavam e carimbavam as propostas, devolvendo-as sem preenchimento dos demais campos relativos ao preço e ao objeto licitatório.

O magistrado entendeu que, ao fraudarem os processos licitatórios, os dois desrespeitaram os princípios constitucionais da legalidade, moralidade, publicidade e eficiência, agindo de forma desonesta, desleal, inquinada pela má-fé e desrespeito aos princípios constitucionalmente consagrados.

O caso

Segundo o Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), as fraudes ocorreram no período de 1993/1996. Servidores do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás (TCM) apreenderam cartas-convites carimbadas e assinadas por empresas participantes, sem apresentarem dado preenchido quanto ao objeto da proposta, preço, dentre outras informações essenciais.

O MPGO explicou que os documentos eram preenchidos posteriormente, na fase de julgamento das propostas, com o fim de direcionar os resultados das licitações. De acordo com o Ministério Público, a presença de várias cartas-convites em branco evidencia que a prática fraudulenta já havia se tornado um hábito na administração municipal e que o comportamento criminoso iria se reiterar por outras diversas vezes.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Improbidade Administrativa

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s