Tribunal condena município e empresa por não pagarem direitos autorais

Uma empresa de promoções artísticas e o município de Ingaí, pertencente à comarca de Itumirim, devem indenizar em R$ 21.500 o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) por não terem pagado os direitos autorais relativos à exibição musical na Festa da Fogueira e 1ª Exposição Agropecuária do município, em 2010. A decisão é da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais e reforma parcialmente a sentença do juiz Célio Marcelino da Silva, da Vara Única da comarca.

A sentença de primeiro grau condenou os réus a pagar ao Ecad o valor de R$ 21.500, sob pena de multa de 10% em caso de atraso, e ainda os proibiu de realizar futuros eventos sem a autorização do autor ou dos titulares das obras. A sentença também autorizou ao Ecad lacrar a aparelhagem e o material acústico, se for preciso.

Inconformado, o município recorreu ao Tribunal alegando que o Ecad não tem legitimidade para propor a ação, uma vez que não há provas das filiações dos autores das canções à associação. Argumentou ainda que não cabe pagamento de direitos autorais em apresentações realizadas pelos próprios autores das composições, as festas foram realizadas sem fins lucrativos e a responsabilidade pelo evento é da empresa contratada.

Ao analisar os autos, a desembargadora relatora, Áurea Brasil, observou que, por lei, o Ecad pode atuar em juízo ou extrajudicialmente, como substituto dos titulares a ele vinculados, sem exigência de filiação do titular dos interesses autorais defendidos. Também declarou que é legal a cobrança dos direitos autorais relativos às apresentações que se deram pelos próprios autores das composições.

A relatora entendeu também que o fato de a festa ter sido realizada por terceiros não retira a responsabilidade solidária do ente público quanto aos direitos autorais, e que estes devem ser pagos mesmo quando as músicas são interpretadas em eventos públicos sem fins lucrativos, conforme a Lei 9.610/98.

O voto da desembargadora reformou parcialmente a sentença de primeiro grau, tornando sem efeito a proibição de o município realizar futuros eventos sem a autorização do autor ou titulares das obras e anulando também a autorização dada ao Ecad para lacrar a aparelhagem e material acústico. No mais, confirmou a sentença com os valores arbitrados.

Os desembargadores Moacyr Lobato e Luis Carlos Gamboji, respectivamente, revisor e vogal, votaram de acordo com a relatora.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Administrativo

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s