Desembargador Paulo Barros Lima mantém prefeito de Piranhas afastado

O desembargador Paulo Barros da Silva Lima, do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), manteve o afastamento temporário do prefeito de Piranhas, Dante Aliguieri Salatiel de Alencar Bezerra de Menezes, acusado de improbidade administrativa.

Havendo indícios de atos que afrontam o princípio constitucional da moralidade, e não apenas o patrimônio público, sem embargos da alegada lesão a direito do agravante, qual seja, a atuação como prefeito eleito através de sufrágio universal, irremediável a convicção de que, no caso sub judice, interesse privado não pode ser sobreposto aos interesses da coletividade, afirmou o desembargador na decisão.

De acordo com os autos, Dante Salatiel de Alencar teria contratado com a EMSERLOC Ltda., por meio do pregão nº 24/2013, frota de 111 automóveis para realização de serviços públicos no município. No contrato, orçado em R$ 5.275.060,00, o município seria responsável pelo pagamento do combustível aos condutores, não havendo, porém, informação acerca dos veículos locados, nem dos respectivos motoristas.

No mesmo pregão, contratou-se por R$ 3.225.000,00 a empresa D.F Silva Mascarenhas para locação de mais 83 automóveis, cujos dados também não foram disponibilizados pela Prefeitura. Outra acusação envolve o Carnaval realizado em Piranhas no ano de 2013, que teria custado ao erário a quantia de R$ 550.000,00 e cujo contrato com a empresa Érica Barbosa de Melo Villalobos Produções ME foi firmado sem licitação.

Diante das denúncias, o Juízo da Comarca de Piranhas determinou, em dezembro de 2014, o afastamento de Dante Salatiel de Alencar do cargo de prefeito, pelo prazo de 180 dias. Objetivando modificar a decisão, ele impetrou agravo de instrumento, com pedido de efeito suspensivo, no TJ/AL.

Sustentou que, caso não seja concedido o efeito suspensivo, advirão sérios danos a ele, pois ficará afastado do cargo de prefeito, que lhe fora legitimamente concedido pela população municipal, durante o pleito de 2012, fato este que causará enorme prejuízo ao Município e a toda sociedade local.

O pedido de efeito suspensivo, no entanto, foi indeferido pelo desembargador Paulo Barros da Silva Lima. No que concerne à alegada lesão grave e de difícil reparação, convém enfatizar que, diversamente do que alega o agravante, no caso dos autos constata-se a presença do periculum in mora inverso, a dizer que a concessão do pretendido efeito suspensivo ao recurso poderá conduzir à irreversibilidade do provimento antecipado e, consequente e irremediavelmente, a grave lesão à moralidade administrativa, concluiu.

Matéria referente ao processo nº 0804623-58.2014.8.02.0000

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Improbidade Administrativa

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s